Completa-se este ano a passagem de 250 anos desde o nascimento do Padre José Maurício Nunes Garcia. Esse aniversário pode e deve ser lembrado no Brasil, em Portugal e em toda a lusofonia, naturalmente, mas um conjunto de sete reputadas instituições brasileiras uniu esforços no sentido de se certificar que o epicentro das comemorações reside na “Casa de José Maurício”: a Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, no Rio de Janeiro.

São elas a SAMAS (Associação de Amigos da Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé), a Associação de Canto Coral, a Escola de Música da Universidade Federal de Rio de Janeiro, a Academia Brasileira de Música, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, a Academia Brasileira de Arte e a Academia Carioca das Letras. Juntas, dinamizam o espaço onde Nunes Garcia trabalhou, no exercício da sua função de Mestre da Capela da Coroa Portuguesa (sob D. João VI) e de D. Pedro IV (feito D. Pedro I do Primeiro Reinado Brasileiro).

No plano musical, estas comemorações permitirão uma importante panorâmica sobre as mais relevantes obras da lavra de Nunes Garcia. O primeiro dos concertos, pela Páscoa, deu a ouvir a Abertura em Ré maior (CPM 232) e as Matinas da Ressurreição (CPM 200). A música do Padre José Maurício, apresentada pelo Coro e Orquestra da Associação de Canto Coral, foi posta em contexto junto com a 27.ª Sinfonia de Mozart, em Sol maior, e com as Vésperas de Sábado Santo de outro compositor brasileiro contemporâneo de Nunes Garcia, Manoel Dias de Oliveira. A Associação de Canto Coral voltará a soar nos dias 21 de Setembro — de novo sob a direcção do maestro Jésus Figueiredo, para executar o Te Deum de 1811 (CPM 93) — e a 20 de Dezembro, encerrando as comemorações com a execução das Matinas de Natal (CPM 170).

Na próxima segunda-feira dia 7 de Agosto, pelas 18h, agrupamentos da Universidade Federal do Rio de Janeiro voltam a fazer ouvir a Abertura em Ré maior, apresentando também o moteto Creator Alme Siderum(CPM 59) e recuperando, em estreia moderna, as Matinas de Santa Cecília (CPM 176).

Para além desta devolução da música de Nunes Garcia ao espaço que originalmente habitou, o compositor será evocado também através da dinamização de conferências e prelecções. Dia 6 de Setembro, véspera da data que assinala a Independência do Brasil, a Capela do Senhor dos Passos da Antiga Sé acolherá uma mesa redonda, pelas 14 horas, com intervenções do maestro Jésus Figueiredo, do presidente da Academia Brasileira de Música, André Cardoso, e de Maria Alice Volpe, insigne professora da Universidade Federal do Rio. A moderação estará a cabo de Ricardo Tacuchian.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.