Hoje, 25 de Outubro, pelas 18h00, a igreja de S. Francisco de Évora receberá um concerto do grupo Capella Patriarchal, dirigido pelo organista João Vaz. Este é o segundo concerto do ciclo de concertos “Música nas Igrejas – Concertos de Órgão”, com direcção artística do organista Rafael Reis, que conta já com quatro edições, contemplando a edição deste ano com um total de oito concertos a realizar em diversas igrejas da região do Alentejo, integrando organistas e outros músicos reconhecidos nacional e internacionalmente, a solo ou integrados em agrupamentos, como é o caso de Capella Patriarchal.

Este será o concerto inaugural da igreja de S. Francisco de Évora, que recebeu obras de restauro profundas com início em Junho do ano passado, tendo terminado oficialmente no início deste mês com a bênção do novo altar pelo Arcebispo de Évora. Este templo irá acolher vários eventos culturais até ao final do ano, constituindo, segundo parece, um ciclo de inauguração deste espaço renovado.

O primeiro concerto deste ciclo ocorreu a 3 de Outubro, na Igreja Matriz de Alvito, com um recital de canto e órgão pelo tenor Pedro Rollin Rodrigues e o organista David Paccetti. No próximo dia 31, pelas 18h00, a Sé de Évora receberá o segundo concerto deste ciclo com o Coro da Catedral de Évora, com direcção de Rafael Reis e Octávio Martins, e Rafael Reis no órgão.

Sobre o autor

Natural dos Açores, é doutorando em Musicologia na Universidade de Évora, Mestre em Ciências Musicais pela FCSH-NOVA e Licenciado em Musicologia pela Universidade de Évora. É colaborador no Pólo de Évora do CESEM e no MPMP (edições mpmp e revista glosas) e consultor do atelier de conservação e restauro Acroarte. Entre 2011 e 2012 realizou o catálogo do fundo musical do Arquivo Capitular da Sé de Angra e, entre 2014 e 2015, foi bolseiro no projecto “Orfeus”, integrando actualmente o projecto "Música Sacra em Évora no Século XVIII". Em 2012 fundou o Ensemble da Sé de Angra, em 2013 o Ensemble Eborensis com quem gravou um CD. O seu trabalho centra-se na polifonia vocal portuguesa dos séculos XVI e XVII (Sé de Évora) e a música no arquipélago dos Açores desde o povoamento até ao final do século XIX.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.