Hoje, 17 de Março, quinta-feira, às 18h00, no Auditório da Biblioteca Nacional, em Lisboa, teve lugar o lançamento do livro Domingos Caldas Barbosa, herdeiro de Horácio (Poemas no Almanak das Musas: estudo crítico), da autoria de Luiza Sawaya. O volume reúne, pela primeira vez nos nossos dias, com um comentário crítico, a obra poética erudita completa do célebre sacerdote, poeta e compositor português, nascido no Rio de Janeiro em 1738 e falecido em Lisboa em 1800, um dos patronos da Academia Brasileira de Música e membro da Arcádia sob o nome célebre Lereno Selenuntino.

 

 

Caldas Barbosa, apesar da recepção desfavorável que os ilustres adversários que teve entre os seus contemporâneos lhe garantiram até à actualidade, tem um papel importante na vida cultural portuguesa da segunda metade do século XVIII, muito particularmente no que concerne à sua actividade musical. As composições aqui reunidas e estudadas por Luiza Sawaya, também intérprete e divulgadora incansável do património musical luso-brasileiro, em edição da Esfera do Caos, foram originalmente publicadas nos volumes do Almanak das Musas (Lisboa, 1793-1794) e, desde então, não voltaram a ser objecto de uma edição integral.

 

 

Citamos directamente do texto divulgado pela Biblioteca Nacional de Portugal, com a devida correcção ortográfica:

 Aos que pensam conhecer Caldas Bar­bosa como o mulato tocador de viola e sedu­tor de senhoras, este livro apresenta-o como um poeta de admirável cultura e grande dignidade. Aos que dão razão aos seus ácidos detractores, liderados por Bocage, este livro mostra que ele foi um inovador na transição do Arcadismo para o Romantismo.

A apresentação esteve a cargo da Prof.ª Doutora Vanda Anastácio, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em sessão de entrada livre que contou ainda com uma projecção de leituras de poemas do autor.

 

Sobre o autor

José Carlos Araújo

Estudou cravo, órgão e música antiga em Lisboa, exercendo intensa actividade, quer a solo, quer com agrupamentos de música antiga e orquestras. Licenciou-se na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde estudou Filologia Clássica e em cujo Centro de Estudos Clássicos é investigador. Prepara actualmente a primeira tradução portuguesa das Cartas de Plínio. Integra a Direcção da revista 'Glosas'.

Uma resposta

  1. Luís Henriques

    Importante iniciativa. Como Caldas Barbosa, muitos outros compositores haverá cujo talento poético permanece ainda desconhecido nos nossos dias.
    cumprimentos

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.