Hoje, dia 12 de Maio, pelas 18h30, irá realizar-se um recital de piano a quatro mãos no auditório do Colégio Mateus d’Aranda, em Évora. Este recital, que integra o ciclo de concertos “Terças Musicais”, é organizado pelo CESEM – Pólo Universidade de Évora, em colaboração com a Escola de Artes da Universidade de Évora.

O programa do recital é composto pela Fantasia em fá menor Op. 103 de Franz Schubert, a Petite Suite de Claude Debussy, Ma mère l’oye de Maurice Ravel e Congada de Francisco Mignone, sendo interpretado pelo Duo Pianístico Alvim & Canton, constituído por Heron Alvim e Junia Canton Rocha.

Na próxima quinta-feira, dia 14 de Maio, Junia Canton Rocha irá realizar uma palestra entre as 9h e as 11h no auditório do Colégio Mateus d’Aranda sobre o tema “Inovação sonora em Noites do deserto de Almeida Prado e sua interpretação ao piano”.

Numa colaboração cujo início remonta a 1990, Heron Alvim e Junia Canton Rocha têm-se apresentado desde esse ano em várias séries de concertos no Brasil, tendo também realizado inúmeras gravações ao vivo, para a rádio e televisão. Participaram em masterclasses e festivais no Brasil e no estrangeiro, com especial destaque para Portugal, onde se apresentaram na Semana Internacional de Piano de Óbidos tocando para pianistas como Paul Badura-Skoda, Boris Berman ou Josep Colom. Durante este mês o grupo irá apresentar-se em vários recitais pelo país. Em Julho tem agendada uma participação na primeira edição do International Piano Week na Cushing Academy, Ashbunham (Massachusetts, E. U. A.).

Sobre o autor

Natural dos Açores, é doutorando em Musicologia na Universidade de Évora, Mestre em Ciências Musicais pela FCSH-NOVA e Licenciado em Musicologia pela Universidade de Évora. É colaborador no Pólo de Évora do CESEM e no MPMP (edições mpmp e revista glosas) e consultor do atelier de conservação e restauro Acroarte. Entre 2011 e 2012 realizou o catálogo do fundo musical do Arquivo Capitular da Sé de Angra e, entre 2014 e 2015, foi bolseiro no projecto “Orfeus”, integrando actualmente o projecto "Música Sacra em Évora no Século XVIII". Em 2012 fundou o Ensemble da Sé de Angra, em 2013 o Ensemble Eborensis com quem gravou um CD. O seu trabalho centra-se na polifonia vocal portuguesa dos séculos XVI e XVII (Sé de Évora) e a música no arquipélago dos Açores desde o povoamento até ao final do século XIX.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.