Neste mês de Fevereiro chegam-nos algumas novidades, como o lançamento do Tesseract Ensemble, um colectivo de músicos focados na interpretação de obras portuguesa do período contemporâneo e do século xx. É certo que poderemos esperar mais concertos dedicados à música portuguesa de tradição erudita deste novo ensemble, mas também por edições fonográficas e encomendas de obras. O primeiro concerto será realizado a 17 de Fevereiro, no Lisboa Incomum, a que se seguirá uma conversa informal com os instrumentistas: Monika Streitová, Marco Fernandes, Pedro Rodrigues, Miguel Rocha e Ana Cláudia Assis. As obras em programa serão de compositores maioritariamente portugueses, nomeadamente Jorge Peixinho, Jaime Reis e João Pedro Oliveira, incluindo também a estreia absoluta  de uma obra (dedicada ao ensemble) pelo compositor brasileiro Roberto Victorio.

Também neste mês de Fevereiro, no dia 8, o Lisboa Incomum abre as portas para um quarteto de cordas constituído por Ernesto Rodrigues, Miguel Mira, Guilherme Rodrigues e Hernâni Faustino, que nos apresentarão peças de improvisação livre, tendo por base a linguagem comum do free jazz e da música contemporânea.

Ainda relativamente à música contemporânea portuguesa, a não perder será o recital para piano de Elsa Silva, com obras de Miguel Azguime, Armando Santiago, e uma estreia absoluta de Álvaro Salazar, a ocorrer no dia 26 de Fevereiro, no O’culto da Ajuda, com transmissão em directo na Antena 2 – uma parceria de transmissão de recitais iniciada em Outubro de 2018. Para além destas obras – e com a participação de Gilberto Bernardes na informática musical –, haverá também a oportunidade rara de ouvir algumas sonatas e interlúdios para piano preparado de John Cage, e a afamada Sequenza IV de Luciano Berio. 

A não esquecer para o dia 15, também no O’culto da Ajuda, o percussionista Tomás Moital apresenta-nos o seu espectáculo Desabafo, uma obra multidisciplinar e performativa que reúne música de J. S. Bach, Iannis Xenakis, Vinko Globokar e Napoleão Mira, esta última em forma de poema.

Para os apaixonados por soundscaping, recomenda-se o simpósio internacional Mapping the Sounds of Lisbon’s Tourismscapes, a ocorrer no Centro de Informação Urbana de Lisboa (CIUL) também no dia 8 de fevereiro, durante todo o dia. Com oradores convidados de vários centros de investigação, este simpósio faz parte do projecto Sounding Out The Tourist City, da Fundação para a Ciência e Tecnologia, e é organizado pelo Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança (INET-md). 

No que toca às grandes salas, Joana Carneiro apresenta-se com a Orquestra Sinfónica Portuguesa no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, no dia 10, com um programa composto por obras de G. Gabrieli, I. Stravinsky e S. Gubaidolina. Nesta última obra, Fachwerk, conta-se com a interpretação de Geir Draugsvoll no bayan, um acordeão desenvolvido na Rússia. 

Também no Grande Auditório, dia 24 de fevereiro poderemos ouvir a soprano  Elisabete Matos com a Orquestra Metropolitana de Lisboa, sob a direcção musical de Kristjan Jarvi. 

Para os mais pequenos, será importante mencionar a oficina Eu, Músico?!, de Nuno Cintrão, a ocorrer na manhã de dia 10 de Fevereiro, na Fundação Calouste Gulbenkian. Pensada para crianças a partir dos 6 anos de idade, a oficina participativa culminará numa apresentação ao público às 12:10h.


8 de Fevereiro, 9.30h às 18.00h

Centro de Informação Urbana de Lisboa

Simpósio Internacional Mapping the Sounds of Lisbon’s Tourismscapes

 

8 de Fevereiro, às 19.30h

Lisboa Incomum

pequenas peças para quarteto de cordas

Ernesto Rodrigues, viola
Miguel Mira, violoncelo
Guilherme Rodrigues, violoncelo
Hernâni Faustino, contrabaixo

 

10 de Fevereiro, 10.45h

Fundação Calouste Gulbenkian

Oficina Eu, Músico?!, por Nuno Cintrão

 

10 de Fevereiro, às 17h

Centro Cultural de Belém

Orquestra Sinfónica Portuguesa

Geir Draugsvoll bayan (acordeão russo)
Joana Carneiro direção musical

Obras de G. Gabrieli, S. Gubaidulina & I. Stravinski

 

15 de Fevereiro, às 21h

O’culto da Ajuda

Desabafo, por Tomás Moital

 

17 de Fevereiro, às 17h

Lisboa Incomum

Concerto inaugural Tesseract Ensemble

Obras de Roberto Victorio, Paul Chihara, Jaime Reis, Jorge Peixinho & João Pedro Oliveira

 

24 de Fevereiro, às 17h

CCB

Orquestra Metropolitana de Lisboa

Elisabete Matos, soprano
Kristjan Järvi, direção musical

Obras de R. Strauss & A. Dvorak

 

26 de Fevereiro, às 21h

O’culto da Ajuda

Recital Antena 2 – Elsa Silva

Obras de John Cage, Álvaro Santiago, Luciano Berio & Miguel Azguime

Sobre o autor

Beatriz Noronha Dilão

Terminou o curso complementar de piano na Fundação Musical dos Amigos das Crianças em 2007, completando também o ensino secundário na área de Artes Visuais. Em 2010, completou a licenciatura em Música no Goldsmiths College, University of London, com uma dissertação acerca dos desenvolvimentos contemporâneos do fado. Realizou o mestrado na mesma universidade, concluindo o curso Contemporary and Popular Music Studies em 2012. Foi com o apoio do Professor Sérgio Azevedo que desenvolveu a sua tese sobre Constança Capdeville, com uma análise do ‘Libera me’. Entre 2010 e 2014, deu aulas de piano e formação musical em diversas escolas de Londres, tendo também colaborado num projecto de inclusão social pela arte. Durante este período, realizou actividades de produção, curadoria e divulgação de música contemporânea.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.