O trabalho do pianista João Costa Ferreira a propósito das obras para a juventude de José Vianna da Motta, fixado no ano passado no CD Poemas pianísticos, vol. I (editado pelo MPMP), foi destacado com a Menção Honrosa do Prémio Grémio Literário 2020. O júri referiu o mérito artístico do projecto e a importância de “se dar a conhecer pela primeira vez um conjunto muito significativo das primeiras obras do compositor”, destacando ainda o trabalho de estudo das fontes originais, na sua maior parte composta por manuscritos inéditos.

Este CD apresenta-nos catorze obras compostas entre os cinco e os catorze anos de idade (ou seja, entre 1873 e 1882, ano em que o então jovem compositor concluiu os seus estudos em Lisboa e rumou a Berlim). O conjunto “testemunha as prodigiosas e invulgares capacidades de Vianna da Motta na sua tenra idade”, nas palavras de João Costa Ferreira, e integra uma série discográfica dedicada às obras praticamente desconhecidas do mestre português, que terá o lançamento de um segundo CD previsto para 2023.

O Prémio Grémio Literário “destina-se a distinguir anualmente obras culturais originais” e que tenham, pela sua originalidade, assumido uma especial relevância no domínio das Letras, Arte e Ciência. É dada preferência a obras com uma temática afecta ao século XIX português, o que não é estranho se considerarmos a vocação primordial do Grémio desde a sua fundação, em 1846. O vencedor deste ano foi José Manuel Lopes Cordeiro, autor de 1820, um trabalho de investigação sobre a Revolução Liberal do Porto, tendo ainda sido atribuída uma segunda Menção Honrosa a António Alves-Caetano pelo livro Perfídia, sobre a importante figura do Conde de Farrobo.

Sobre o autor

Avatar photo

Licenciado em piano pela Escola Superior de Música de Lisboa, na classe de Jorge Moyano, concluiu o Conservatório Nacional com a classificação máxima, tendo aí estudado com Hélder Entrudo e Carla Seixas. Premiado em diversos concursos, apresenta-se em concerto em variadas formações. Estreia regularmente obras de compositores contemporâneos. Gravou para a RTP/Antena 2, TV Brasil e MPMP: editou, em 2020, o CD “La fièvre du temps” em duo com Philippe Marques. É membro fundador do MPMP Património Musical Vivo, dirigindo temporadas e coordenando inúmeras gravações. Termina, actualmente, o mestrado em Empreendedorismo e Estudos da Cultura do ISCTE. Foi director executivo da GLOSAS entre 2017 e 2020.