No próximo dia 27 de Fevereiro, o auditório do Colégio Mateus de Aranda, da Escola de Artes da Universidade de Évora, acolhe pelas 21h30 o segundo concerto do ciclo “A Sinfonia Clássica”, integrado na temporada regular 2015 da Orquestra Clássica do Sul, dirigida por Vasco Pearce de Azevedo.

A obra central no programa deste concerto é a Sinfonia n.º 36 em dó maior KV. 425 de Wolfgang Amadeus Mozart, também conhecida como a ‘Sinfonia Linz’, por ter sido escrita nesta cidade austríaca (e aí estreada) em apenas quatro dias.

Do programa também constam a abertura da ópera Le nozze d’Ercole ed Ebe do compositor setecentista português Jerónimo Francisco de Lima e o poema sinfónico Siegfried-Idyll WWV. 103 de Richard Wagner.

No seguimento do protocolo de colaboração assinado entre a Universidade de Évora e a Orquestra Clássica do Sul a 30 de Outubro de 2014, irão participar neste concerto vários alunos do Departamento de Música desta universidade.

Fundada em 2002 como Orquestra do Algarve, em Setembro de 2013 foi reorganizada como Orquestra Clássica do Sul, com o objectivo de levar a sua missão às regiões do Algarve, do Alentejo e da Península de Setúbal, assim como à região espanhola da Andaluzia. Contando com o patrocínio da Caixa Geal de Depósitos enquanto mecenas extraordinário, a orquestra tem o Turismo do Algarve, a Universidade do Algarve e também os municípios algarvios como associados, aos quais se juntou em 2014 a Universidade de Évora. O protocolo celebrado entre estas duas instituições oficializou a parceria de promoção e divulgação da cultura musical, fomentando a actividade artística da OCS em Évora e a colaboração formativa, proporcionando estágios e prática orquestral aos alunos do Departamento de Música da universidade.

Sobre o autor

Luís Henriques

Musicólogo açoriano, doutorando na Universidade de Évora, é mestre em Ciências Musicais (FCSH NOVA) e licenciado em Música (UÉvora). É investigador em formação no CESEM e membro do MPMP. Catalogou o arquivo musical da Sé de Angra, foi bolseiro no projeto ORFEUS e também investigador no projeto PASEV. Fundou e dirigiu o Ensemble da Sé de Angra e também o Ensemble Eborensis, com concertos nas ilhas dos Açores, Continente português e França. Os seus interesses de investigação centram-se na polifonia portuguesa seiscentista, especialmente no Alentejo, e a música nos Açores do século XV ao final do XIX.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.