Realizou-se no passado dia 9 de Maio, pelas 21h30, um concerto de música sacra setecentista no Palácio de D. Manuel, em Évora, promovido pela Asssociação / Conservatório Eborae Musica. Este concerto foi apresentado no âmbito da XVIII Semana da Porta Aberta, onde esta instituição promove uma série de actividades abertas à comunidade, com a apresentação dos alunos e professores do Conservatório assim como dos vários grupos residentes. Nele participaram o Coro Polifónico Eborae Musica e a Orquestra do Conservatório Regional de Évora, dirigidos por Eduardo Martins.

O programa dividiu-se em duas partes. Na primeira a Orquestra do Conservatório Regional de Évora interpretou o Concerto em lá menor Op. 3 n.º 6 de Antonio Vivaldi, para dois violinos, sendo solistas Luís Rufo e Susana Nogueira. Na segunda parte foi interpretada quase integralmente pelo Coro Polifónico Eborae Musica e Orquestra do Conservatório Regional de Évora a Missa em sol maior de Carlos Seixas, sendo solistas Sandra Medeiros (soprano), Manuel Brás da Costa (contratenor) e Armando Possante (barítono), com a direcção de Eduardo Martins.

Este concerto contou com o apoio do Agrupamento de Escolas do Concelho de Évora, Câmara Municipal de Castro Verde, Cendrev, Colecção B, Antena 2, Diário do Sul, Semanário “Registo” e Rádio Diana FM.

Na “Semana da Porta Aberta”, que decorreu de 4 a 10 de Maio, a comunidade foi convidada a visitar as instalações do Conservatório Regional de Évora, assistir às aulas ministradas nesta instituição e a assistir aos vários concertos e outras actividades desenvolvidas durante a semana. A Associação e Conservatório Regional de Évora  Eborae Musica é uma estrutura financiada pelo programa INAlentejo, QREN, POPH, Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, Governo de Portugal / DgArtes, Direcção Regional da Cultura e Câmara Municipal de Évora.

Sobre o autor

Avatar photo

Musicólogo açoriano, doutorando na Universidade de Évora, é mestre em Ciências Musicais (FCSH NOVA) e licenciado em Música (UÉvora). É investigador em formação no CESEM e membro do MPMP. Catalogou o arquivo musical da Sé de Angra, foi bolseiro no projeto ORFEUS e também investigador no projeto PASEV. Fundou e dirigiu o Ensemble da Sé de Angra e também o Ensemble Eborensis, com concertos nas ilhas dos Açores, Continente português e França. Os seus interesses de investigação centram-se na polifonia portuguesa seiscentista, especialmente no Alentejo, e a música nos Açores do século XV ao final do XIX.