Realizar-se-á amanhã, dia 11 de Março, pelas 18h00, um recital de Clarinete no Museu de Évora. Este evento é co-organizado pelo Museu de Évora e a Escola de Artes da Universidade de Évora.

O programa compõe-se exclusivamente de obras para clarinete solo, com a adaptação para clarinete da Partita em lá menor para flauta solo BWV 1013 de J. S. Bach, as Três peças para clarinete solo de Igor Stravinsky e a Sonata para clarinete solo de Edison Denisov. Estas obras serão interpretadas por Leonel Quinta, aluno do Departamento de Música da Escola de Artes da Universidade de Évora na classe da professora Ana Maria Santos.

Este recital surge no âmbito da já longa colaboração do Museu de Évora com a Escola de Artes da Universidade de Évora para a apresentação musical de alunos e agrupamentos do Departamento de Música desta Escola no âmbito das actividades culturais do Museu.

O Museu de Évora, que este ano completa o primeiro centenário de existência, conserva cerca de vinte mil peças distribuídas por colecções de pintura, escultura e arqueologia. O seu núcleo principal tem origem numa colecção setecentista de grande diversidade e abrangência, organizada pelo Arcebispo de Évora Frei Manuel do Cenáculo. Este núcleo foi organizado de forma a articular todos os campos do conhecimento, formando uma “biblioteca-museu” com uma funcionalidade didáctica de acordo com o pensamento do século XVIII. O espólio do Museu foi significativamente alargado com a extinção das Ordens Religiosas, beneficiando as colecções de pintura e escultura. A realização de inúmeras escavações arqueológicas durante o século XX, principalmente sobre a Pré-História e o período Romano, veio enriquecer o espólio, aprofundando a relação com a história da cidade e da região.

Sobre o autor

Luís Henriques

Musicólogo açoriano, doutorando na Universidade de Évora, é mestre em Ciências Musicais (FCSH NOVA) e licenciado em Música (UÉvora). É investigador em formação no CESEM e membro do MPMP. Catalogou o arquivo musical da Sé de Angra, foi bolseiro no projeto ORFEUS e também investigador no projeto PASEV. Fundou e dirigiu o Ensemble da Sé de Angra e também o Ensemble Eborensis, com concertos nas ilhas dos Açores, Continente português e França. Os seus interesses de investigação centram-se na polifonia portuguesa seiscentista, especialmente no Alentejo, e a música nos Açores do século XV ao final do XIX.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.