Renovam-se os quadros directivos da histórica instituição, fundada em 1945, congregadora de algumas das mais importantes personalidades do panorama musical brasileiro. A cerimónia de tomada de posse está marcada para o dia 5 de Março de 2018, no Espaço Guiomar Novaes, Rio de Janeiro, e será complementada com um concerto comemorativo na Sala Cecília Meireles, com música de W. A. Mozart, Heitor Villa-Lobos, Ronaldo Miranda e João Guilherme Ripper, a executar pela Orquestra Sinfónica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob a regência de Felipe Prazeres.

A integração da música de João Guilherme Ripper no programa é propositada: o celebrado compositor carioca, até agora Vice-Presidente, será agora o novo Presidente da Academia Brasileira de Música, secundando-lhe André Cardoso, até agora Presidente, como novo Vice-Presidente. Integram ainda a equipa Manoel Corrêa do Lago (antes 2.º Secretário, novo 1.º Secretário), Ernâni Aguiar (antes 1.º Secretário, novo 2.º Secretário), Ricardo Tacuchian (antes 2.º Tesoureiro, novo 1.º Tesoureiro) e Turíbio Santos (antes 1.º Tesoureiro, novo 2.º Tesoureiro).

Com efeito, mantêm-se todos os nomes que vinham dirigindo a Academia até agora, alterando-se apenas a atribuição dos cargos, no que pode ler-se um sinal em prol da continuidade das prestigiantes iniciativas a que a Academia Brasileira de Música nos tem habituado e que, cremos, passarão, cada vez mais, por responder aos desafios que a nossa contemporaneidade nos coloca enquanto músicos e enquanto melómanos: entre tantos outros, sublinhe-se a necessidade de difusão contra-hegemónica, a nível local e a nível global, de património imaterial de elevado valor artístico; a redefinição sustentável de iniciativas editoriais em face do mundo das novas tecnologias; o fomento do contacto intergeracional e da multidisciplinaridade, da criação contemporânea, da investigação em música…

Possam estes desafios, partilhados por comunidades musicais um pouco por todo o mundo, aproximar os países da lusofonia e reanimar sempre e cada vez mais a prossecução de projectos transatlânticos.

Sobre o autor

Edward Ayres d'Abreu

Concluiu o Curso Complementar de Piano no Conservatório Nacional. É licenciado em Composição pela Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou sob orientação de Sérgio Azevedo e de António Pinho Vargas. Durante um ano, em programa Erasmus, frequentou o Conservatório Nacional Superior de Paris (CNSMDP), estudando com Gérard Pesson. É Mestre em Ciências Musicais pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e doutorando em Musicologia Histórica enquanto bolseiro da FCT, Fundação para a Ciência e a Tecnologia. É membro fundador e Presidente da Direcção do MPMP, Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa, tendo sido Director da revista 'Glosas' nos seus primeiros quinze números.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.