O CESEM, Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical, promoverá nestes meses de Junho e Julho a sexta edição do seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação. Serão seis sessões, decorrendo entre os dias 9 de Junho e 13 de Julho, onde vários investigadores da instituição, afectos ao Grupo de Teoria Crítica e Comunicação, exporão os trabalhos que têm actualmente em curso.

A primeira sessão deste seminário decorrerá no dia 9 de Junho, pelas 18 horas, na sala 1.05 do Edifício I&D da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL. Focado aos estudos de recepção, o painel moderado por Paulo Ferreira de Castro contará com comunicações de Cesário Costa (que nos fala sobre a estreia portuguesa da Sagração da Primavera), Rui Magno Pinto (investigador que disserta presentemente sobre a emergência de uma cultura sinfónica em Lisboa e que ora abordará a programação dos Concertos Clássicos pela Associação de Música 24 de Junho), Luís Miguel Santos (sobre a recepção da produção sinfónica de Beethoven na imprensa no início do séc. XX) e Isabel Pina (do poema sinfónico de Freitas Branco, Viriato, no contexto do Integralismo Lusitano).

A segunda sessão, pelas 14 horas de 14 de Junho, constela-se à volta da ideia de acção dramática em contextos não convencionais. À mesa — intitulada Perspectivas sobre Música e Teatro — debater-se-á os conceitos de “música de cena” (pela comunicação de Francisco Pessanha) e de “música de câmara cénica” (por Katrin Stöck). Por sua vez, Edward Luiz Ayres d’Abreu abordará a “ópera radiofónica”, apoiado no exemplo seminal em contexto luso de Viver ou morrer, de Joly Braga Santos.

A terceira sessão aglomera os contributos de jovens investigadores do CysMus (Grupo de Estudos Avançados em Música e Cibercultura), que, no âmbito do Grupo de Estudos Avançados em Sociologia Musical da instituição, trabalham na intersecção da música com a Internet, jogos, cinema e televisão e restantes meios audiovisuais. As comunicações serão proferidas por Marcelo Franca (que discorrerá sobre a componente audiovisual no activismo metal, música a que dedica a sua atenção), João Porfírio (sobre o ambiente sonoro doméstico), Filipa Cruz (sobre a ideia de omnipresença no cinema de terror), Joana Freitas (da produção recente de Hans Zimmer) e Júlia Durand (sobre a música sob licenciamento para uso em audiovisual). A sessão decorrerá pelas 14h00 de dia 29 de Junho.

As comunicações da sessão de 7 de Julho (pelas 14h00) têm em comum entre si a atenção para com personagens judaicas: Alma Rosé, uma das líderes da tremenda Mädchenorchester de Auschwitz — na comunicação de Ana Brinca —, e António José da Silva, o Judeu, de cuja produção a musicóloga Andréa Teixeira parte para analisar o papel cultural da família de Pompeu de Pina em Goiás.

A quinta sessão subordina-se à relação entre música e imagem: numa primeira parte, Luís Soldado e Nicholas McNair abordam o cinema mudo; na segunda, Jelena Novak — investigadora particularmente atenta ao uso do vídeo na produção (pós-)operática da contemporaneidade — apresenta a comunicação Installing the operatic. Esta sessão decorrerá às 14 horas de 11 de Julho.

A última — a sexta sessão deste sexto seminário — tratará de cruzamentos interdisciplinares para lá dos já abordados e de alguns olhares “de fora”: Claudia Fischer, do Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, apresentará o que chama playlist relativamente ao “conto musical” (produções literárias que lidam com a temática da música), onde  — à semelhança do trabalho que editou em livro — junta os autores românticos Kleist, Wackenroder e E.T.A. Hoffmann; Paulo Ferreira de Castro, por sua vez, discorrerá sobre o romance de Tolstoi, A Sonata a Kreutzer; Marta Soares, do Instituto de História de Arte da Faculdade de Letras, sobre a apropriação da música pela pintura, apoiada no exemplo de Amadeo de Souza-Cardoso; Pedro Eiras, convidado do Instituto de Literatura Comparada da Faculdade de Letras do Porto, sobre Cesariny. A sessão final decorrerá pelas 14h00 de dia 13 de Julho.

VI Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação
9 de Junho – 13 de Julho
14:00 – 17:00 (excepto 9 de Junho: 18:oo – 21:00)
Edifício I&D, Sala 1.05
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Av. Berna, 26
Lisboa, 1069-061 Portugal

Sobre o autor

Luís Salgueiro

Luís Salgueiro é licenciado em Composição pela Escola Superior de Música de Lisboa. Para além da sua actividade criativa, dedica também a sua energia à preparação de partituras e musicografia, primeiro como 'freelancer' e actualmente como coordenador das actividades editoriais do MPMP, Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.