A temporada lírica do Teatro Nacional de São Carlos prossegue com A Flowering Tree, ópera em dois actos de John Adams (1947-) sobre libreto escrito em colaboração com Peter Sellars a partir de um conto tradicional indiano. Estreada em 2006, em Viena, a sua primeira apresentação em Portugal deu-se na Fundação Calouste Gulbenkian em 2010, também com direcção de Joana Carneiro, mas apenas em versão semi-encenada. Esta é, portanto, uma melhor oportunidade para apreciar a obra no que concerne às suas potencialidades cénicas.

Kumudha, uma jovem e bela rapariga, engendra um plano para ajudar a sua família pobre, transformando-se em árvore, da qual ela e sua irmã colhem as flores perfumadas que depois vendem no mercado local. Um príncipe e um narrador omnisciente completam o trio vocal de principais que vão desenvolvendo esta história juntamente com um grupo de bailarinos e o corpo coral.

O libreto é muito simples, com algumas particularidades insólitas. Apesar de se tratar de uma história sobre uma Índia imaginária — e estereotipada —, canta-se maioritariamente em inglês e os coros são-no em castelhano por terem sido pensados, aquando da estreia, para o venezuelano El Sistema — o que não deixa de ter um peso político-simbólico peculiar, sobretudo dado os textos e os contextos conferidos aos coros e dada a relação entre a comunidade hispânica e demais população dos Estados Unidos da América. A música — muito ilustrativa em função do texto — tem, todavia, momentos absolutamente deslumbrantes e encantatórios: John Adams é efectivamente um habilíssimo orquestrador e as suas texturas tímbricas e rítmicas são magnificamente arrojadas.

Do que se viu e ouviu no ensaio geral, esta produção — desde a prestação da maestrina Joana Carneiro, solistas, coro e orquestra até à elegante e eficaz encenação — merece bem a nossa presença.

A não perder, sobretudo em família: é uma ópera excelente para o público juvenil.

 

Centro Cultural de Belém 6 e 8 de Abril, às 20h00

 

A FLOWERING TREE
John Adams

Ópera em 2 actos
Libreto de John Adams e Petter Sellars, baseado num conto homónimo do folclore indiano,
traduzido por A. K. Ramanujan

Direcção musical | Joana Carneiro
Encenação | Nicola Raab
Cenografia e figurinos | George Souglides
Desenho de luz |  Aaron Black
Coreografia | Renato Zanella

Kumudha | Jessica Rivera
O Príncipe| Shawn Mathey
Narrador | Luís Rodrigues

Coro do Teatro Nacional de São Carlos
Maestro titular | Giovanni Andreoli

Orquestra Sinfónica Portuguesa
Maestrina titular | Joana Carneiro

Cenários e figurinos
em co-produção Teatro Comunale di Bolzano / Chicago Opera Theatre

Co-Produção CCB

M/6

Sobre o autor

Avatar photo

Curso Complementar de Piano no Conservatório Nacional. Licenciatura em Composição pela Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou sob orientação de Sérgio Azevedo e de António Pinho Vargas. Durante um ano, em programa Erasmus, frequentou o Conservatório Nacional Superior de Paris (CNSMDP). Mestre e doutorando em Ciências Musicais pela Universidade NOVA. Membro fundador e Presidente da Direcção do MPMP. Director da revista GLOSAS (números 1-15 e 20-). Distinguido com o 2.º Prémio do Concurso Otto Mayer-Serra (2017) da Universidade da Califórnia, Riverside, e o Prémio Joaquim de Vasconcelos (2019) da Sociedade Portuguesa de Investigação em Música.

Uma resposta

  1. Sara Maria Teixeira

    Bom dia,
    Não esquecer todo o trabalho dos bailarinos.