Durante os próximos três meses, surgirão várias oportunidades para assistir a concertos do agrupamento AntiTrio, que passarão pela presença no EurSax 2017 (Julho), na 7.ª edição do Gravíssimo! Festival e Academia de Metais Graves de Alcobaça (29 de Agosto e 2 de Setembro) e ainda na 4.ª edição dos Encontros ao Largo, ciclo de actividades dinamizado pela autarquia de Vila Real de Santo António, cujo encerramento, a 25 de Agosto, contará com a presença destes músicos.

No programa constarão o Trio pour piano, hautbois et basson de Francis Poulenc (com as devidas transcrições para piano, saxofone alto e eufónio) e Words Beyonds, de Daniel Schnyder.


AntiTrio é um agrupamento com origem no Porto, constituído por alunos da ESMAE – Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo. Os músicos Inês Luzio (eufónio), Júlia Azevedo (piano) e Pedro Santos (saxofone) formaram-no em Outubro de 2016 e têm sido orientados por professores como José Parra, Fernando Ramos e Sérgio Carolino.

Este agrupamento tem procurado estabelecer um caminho musical próprio, estando na intersecção de várias linguagens musicais, factor permitido pela invulgaridade desta formação específica. Do seu repertório constam obras de compositores tão variados quanto Poulenc, Bristol ou Daniel Schnyder. Não obstante uma percurso ainda breve, AntiTrio tem já alcançado marcos importantes: tendo participado no festival APTE e no Festival ESMAE, em Março de 2017, foram os vencedores da categoria superior do Concurso de Música de Câmara promovido pela Associação CulturXis em parceria com a Associação 23 Milhas, em Junho de 2017. Aos 120′ do vídeo supra, é possível assistir à prova final que consagrou este conjunto como vencedor do concurso.


Inês Luzio iniciou os estudos musicais aos 9 anos. Estudou Eufónio no Conservatório de Música de Coimbra e licenciou-se pela Universidade de Aveiro. Hoje é estudante de Mestrado na ESMAE, sob a orientação de Sérgio Carolino. Trabalhou com as principais referências internacionais do eufónio (Thomas Rüedi, Demondrae Thurman, Anthony Caillet, Shoichiro Hokazono, Steven Mead). Colaborou com a Banda Sinfónica Portuguesa e a Banda Sinfónica da ARMAB. Integrou, em Julho de 2015, a WASBE Youth Wind Orchestra em San Jose, Califórnia, sob a direcção de José Rafael Pascual Vilaplana. Obteve o 2.º lugar na categoria sénior do Concurso Internacional de Instrumentistas de Sopro Terras de La Salette (2016). É membro do How Low Can You Go? – Ensemble Português de Tubas.

Pedro Santos começou a estudar Saxofone na Academia de Música de Espinho com Isabel Anjo. Concluiu em 2016 o Curso Profissional de Instrumentista de Sopros e Percussão na Escola Profissional de Música de Espinho, com nota final de 20 valores. Estuda actualmente na ESMAE com Henk van Twillert e Fernando Ramos. Frequentou numerosas masterclasses (João Pedro Silva, Gilberto Bernardes, Juani Palop, Mário Marques, entre outros). Foi premiado numerosas vezes no Concurso Internacional de Instrumentos de Sopro Terras de La Salette (1.º lugar, 2016). Apresentou-se a solo com a Orquestra Clássica de Espinho.

Júlia Azevedo iniciou o estudo do Piano no Conservatório Regional do Algarve – Maria Campina, tendo estudado posteriormente no Conservatório de Portimão Joly Braga Santos e na Academia de Música de Lagos. Licenciou-se na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, na classe de Pedro Burmester. Foi premiada em concursos nacionais e internacionais. Actualmente frequenta o Mestrado em Música, sob orientação de Madalena Soveral no IPP.

Sobre o autor

Avatar photo

Rita Faleiro é doutoranda em Musicologia na Universidade de Évora, Mestre em Ensino da Música (Piano) pelo ISEIT - Almada e Licenciada em Piano e Arqueologia pela Universidade de Évora. Trabalhou como professora de Piano em diversas instituições e organizou diversas Masterclasses, tendo participado igualmente em múltiplas edições das Jornadas “Escola de Música da Sé de Évora”. Actualmente o seu trabalho académico centra-se na investigação de música sacra portuguesa, nomeadamente os salmos concertados da segunda metade do séc. XVIII dos compositores eborenses.