Nas primeiras três quartas-feiras do mês de Maio, o Oi Futuro de Ipanema acolherá a apresentação de três óperas multimédia da compositora brasileira Jocy de Oliveira, numa maratona que coroa a reposição das sessões Desmistificando a Música Contemporânea.

Partindo do seu livro Diálogo com Cartas, no qual compila mais de 120 peças de correspondência com alguns dos mais brilhantes compositores do século xx, Jocy de Oliveira concebeu Desmistificando a Música Contemporânea: uma série de sessões de performance e reflexão sobre as obras de Stravinsky, Cage, Stockhausen ou Messiaen, entre outros. Segundo a compositora, o facto de a história ser contada na primeira pessoa é “um poderoso veículo para levar ao público um diferente ângulo”, com “factos únicos e desconhecidos do público”, o que tem “despertado uma nova emoção e grande curiosidade” junto dos ouvintes, sejam eles iniciados ou jovens que contactam pela primeira vez esta música.

As óperas multimédia de Jocy de Oliveira transpõem para palco esta abordagem. Revisitando Stavinsky, de 2010, debruça-se sobre a relação entre Jocy e Igor, numa sucessão fluída de storytelling, cinema-documentário e música — a de Stravinsky e a de Oliveira sobre a de Stravinsky — que salta entre o palco e o ecrã. Berio sem censura, a mais recente das três (2012), relembra o italiano como Jocy o conheceu, apoiando-se na memória das colaborações que partilharam e das cartas que trocaram. Já Kseni — A Estrangeira é uma obra autónoma anterior às outras duas (2003-06). Encomenda dos Dresdner Tage der Zeitgenosischen Musik, a ópera parte do mito de Medeia para encenar uma reflexão sobre identidade, individuação, e a relação entre os Homens e do Homem consigo mesmo.

4 de Maio
16h30 Estórias em concerto (concerto-palestra para escolas)
19h30 Revistando Stravinsky
11 de Maio
19h30 Kseni — A Estrangeira
21h Mesa redonda
18 de Maio
19h30 Berio sem censura
Oi Futuro
Rua Visconde de Pirajá, 54
Ipanema
entrada livre

Sobre o autor

Avatar photo

Luís Salgueiro é licenciado em Composição pela Escola Superior de Música de Lisboa. Para além da sua actividade criativa, dedica também a sua energia à preparação de partituras e musicografia, primeiro como 'freelancer' e actualmente como coordenador das actividades editoriais do MPMP, Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa.