O Teatro Angrense, na ilha Terceira, nesta sexta-feira à noite, acolhe a estreia da nova ópera Boas Festas, Senhor Natal!, projecto do compositor picoense Antero Ávila e do escritor terceirense Álamo Oliveira.

A ideia partiu de Duarte Gonçalves Rosa, assessor do Governo Regional na elaboração da Temporada Cultural, procurando a dinamização de diversos agentes culturais, e a ópera foi pensada tendo em conta as características das salas de espectáculos dos Açores e dos coros da Região.

O libreto trata da história do nascimento de Jesus, enquadrada porém nos tempos actuais, e reflectindo em particular sobre o drama dos refugiados. Segundo a sinopse, a ópera “é um apelo a que cada um de nós não se demita das suas responsabilidades de construir um mundo de justiça, de paz e felicidade para todos. Tal como há dois mil anos, no ventre de uma Mulher cabe a vida da humanidade inteira, sobretudo a dos que sofrem. E a estrela do oriente lá está, a lançar o seu brilho de esperança, num mundo melhor”.

 

 

Juntou-se para o efeito uma equipa de mais de oitenta colaboradores, entre coralistas (coro infantil, Coro Tibério Franco e Coro Tomás de Borba da Academia Musical da Ilha Terceira), cantores solistas, instrumentistas e actores do Grupo de Teatro Alpendre.

No Sábado à tarde a ópera volta a ser apresentada e, em 2022, vai chegar ao Pico, Faial e São Miguel, não com os coralistas e instrumentistas da Terceira mas sim com o envolvimento dos músicos e coros dessas ilhas.

Com duração superior a uma hora, esta ópera é a peça mais longa que alguma vez Antero Ávila escreveu. Natural da Ilha do Pico, onde nasceu em 1973, iniciou os estudos musicais com o seu tio Custódio Garcia, ainda antes de aprender a ler e escrever. Já com a idade de sete anos teve aulas particulares de piano com Josefina Canto e Castro. Aos catorze anos assumiu a direcção artística da Filarmónica União Artista de São Roque do Pico. Ingressou no Conservatório Nacional, em Lisboa, onde foi aluno de Jorge Peixinho e Álvaro Salazar. Entrou para a Escola Superior de Música de Lisboa e completou a Licenciatura em Composição. Foi aluno de Carlos Caires, Sérgio Azevedo, Christopher Bochmann, Eurico Carrapatoso e António de Sousa Dias. Enquanto estudante, teve ocasião de ouvir tocadas algumas das suas obras em Lisboa e no Porto. Voltou depois à Terceira onde fixou residência e onde é professor de Análise e Técnicas de Composição e de Acústica no Conservatório Regional de Angra do Heroísmo. Tem integrado diversos agrupamentos como instrumentista de tuba e de baixo eléctrico. Actualmente, divide a sua actividade docente com a actividade de compositor, maestro e instrumentista. Nesta sequência, tem escrito várias obras para coro e orquestra, música de câmara e para banda sinfónica.

 


 

Elenco
Helena Castro Ferreira – soprano
Glória Pimentel – soprano
Maria Ávila – mezzo soprano
Liliana Silva – contralto
Marios Maniatopoulos – tenor
Mário Silva – tenor
Afonso Silveira – tenor
Hélder Ferreira – tenor
José Corvelo – barítono
Fábio Silveira – barítono
Miguel Maduro Dias – baixo-barítono
Luís Carlos Pacheco – baixo
Paulo Barcelos – baixo
Ricardo Henriques – baixo
Rui Baeta – no papel de Senhor Natal

Coro infantil (direcção: Cristina Pureza)
Coro Tibério Franco (direcção: Ricardo Henriques)
Coro Tomás de Borba da AMIT (direcção: Alla Lanova)

Actores do Grupo de Teatro Alpendre, sob a direcção de Markus Trovão

Orquestra sob a direcção de Antero Ávila

Composição da Orquestra 
Flauta – Mikhayl Roussal
Oboé – Tiago Marques
Clarinete – Taras Poustovgar
Trompa – Edgar Marques
Trompete – Paulo Borges
Trombone – Miguel Moutinho
Tímpanos – Bruno Oliveira
Primeiros violinos – Elena Kharambura (concertino), Rebeca Roxo, Sofia Francisco e Veronika Taraban
Segundos violinos – Jacinto Neves, Daniela Dahmen Quintas e Francisco Festa
Violetas – Ostap Kharambura e José João Silva
Violoncelos – Orest Gritsiouk e Denis Poustovgar
Contrabaixo – Paulo Cunha

Sobre o autor

Avatar photo

Curso Complementar de Piano no Conservatório Nacional. Licenciatura em Composição pela Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou sob orientação de Sérgio Azevedo e de António Pinho Vargas. Durante um ano, em programa Erasmus, frequentou o Conservatório Nacional Superior de Paris (CNSMDP). Mestre e doutorando em Ciências Musicais pela Universidade NOVA. Membro fundador e Presidente da Direcção do MPMP. Director da revista GLOSAS (números 1-15 e 20-). Distinguido com o 2.º Prémio do Concurso Otto Mayer-Serra (2017) da Universidade da Califórnia, Riverside, e o Prémio Joaquim de Vasconcelos (2019) da Sociedade Portuguesa de Investigação em Música.