Foi recentemente lançada mais uma gravação com obras de câmara de Luiz de Freitas Branco, que inclui o registo das duas sonatas para violino, do trio com piano e de um prelúdio para violino e piano. O italiano Alessio Bidoli é o responsável por este novo projecto, editado pela etiqueta Sony Classical, em que o violinista se junta ao pianista Bruno Canino e ao violoncelista Alain Meunier.

O percurso discográfico de Alessio Bidoli passou recentemente pela música de Nino Rota, mas o milanês também já se tinha dedicado ao registo de Saint-Saëns, Wieniawski ou Grieg. O violinista conta que deparou com Freitas Branco “por acaso”: a gravação das sinfonias do mestre português estava numa loja em que procurava alguma música nova. A partir daí, encontrou as partituras e decidiu aprofundar mais o seu estudo das obras para violino do compositor, que foram escritas entre 1908 e 1928, duas décadas de grande evolução da sua música em termos estilísticos, segundo nos lembra Franco Pulcini nas notas que acompanham o CD.

 

 

Alessio Bidoli nasceu, em 1986, no seio de uma família construtora de violinos na Lombardia – o seu próprio violino foi construído pelo avô. É actualmente professor no Conservatório de Bari, tendo estudado em Lausanne, Salzburgo, Siena, Imola e, claro, no Conservatório Giuseppe Verdi da sua cidade natal. Foi também no Conservatório de Milão que estudou Bruno Canino, tendo sido lá professor durante 24 anos, ainda que seja natural de Nápoles. O pianista lecciona hoje em Fiesole, tendo tocado ao longo da sua longa carreira com algumas das mais importantes orquestras mundiais, como a Berliner Philarmoniker e a New York Philharmonic. Já Alain Meunier nasceu em Paris, onde se formou, tendo sido professor na Accademia Chigiana durante 33 anos.

 

 

O CD está disponível para compra on-line ou escuta nas habituais plataformas de streaming.

Sobre o autor

Avatar photo

Licenciado em piano pela Escola Superior de Música de Lisboa, na classe de Jorge Moyano, concluiu o Conservatório Nacional com a classificação máxima, tendo aí estudado com Hélder Entrudo e Carla Seixas. Premiado em diversos concursos, apresenta-se em concerto em variadas formações. Estreia regularmente obras de compositores contemporâneos. Gravou para a RTP/Antena 2, TV Brasil e MPMP: editou, em 2020, o CD “La fièvre du temps” em duo com Philippe Marques. É membro fundador do MPMP Património Musical Vivo, dirigindo temporadas e coordenando inúmeras gravações. Termina, actualmente, o mestrado em Empreendedorismo e Estudos da Cultura do ISCTE. Foi director executivo da GLOSAS entre 2017 e 2020.