No passado dia 21 de Dezembro foi lançado na Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), o álbum mais recente de Álvaro Cassuto (1938-), desta vez à frente da Royal Liverpool Philarmonic Orchestra, que interpreta a Sinfonia “À Pátria” e outras obras de José Vianna da Motta (1868-1948). O CD foi editado pela NAXOS e já se encontra à venda.

Sendo um dos maestros portugueses com maior projecção internacional, Álvaro Cassuto tem sido fundamental na divulgação de repertório português das várias épocas, principalmente de música do século XX. É um dos maiores divulgadores a nível internacional da obra de Luiz de Freitas Branco (1890-1955), Joly Braga Santos (1924-1988), Fernando Lopes-Graça (1906-1994) e Vianna da Motta, entre outros. Nascido no Porto em 1938, Álvaro Cassuto estudou direcção de orquestra com Pedro de Freitas Branco (1896-1963) e com Herbert von Karajan, sendo também licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa e formado em Direcção de Orquestra pelo Conservatório de Viena. Foi maestro da Orquestra Sinfónica da Radiodifusão Portuguesa e da Orquestra Sinfónica Portuguesa, bem como fundador da Nova Filarmónica Portuguesa e, mais recentemente, maestro da Raanana Symphony Orchestra, de Israel, e da Orquestra Sinfónica de Bari. Destacando-se também como compositor, Álvaro Cassuto tem uma obra que poderá inserir-se na vanguarda portuguesa da segunda metade do século XX, juntamente com compositores como Jorge Peixinho (1940-1995) e Emmanuel Nunes (1941-2012).

Desta vez o maestro apresenta-nos uma das obras mais emblemáticas do compositor e pianista virtuoso Vianna da Motta, obra que marcou a tentativa de desenvolvimento da música sinfónica por parte dos compositores portugueses de finais do século XIX e início do século XX, que consideravam o século XIX português demasiadamente marcado pela hegemonia da ópera italiana. A Sinfonia “À Pátria” constitui um símbolo da evolução nacional portuguesa, estando Vianna da Motta, segundo Manuela Toscano, principalmente “interessado em restaurar um passado perdido e preencher uma falta”1, utilizando um nacionalismo pejado de modelos beethovenianos, como o género sinfonia, lisztianos, pela proximidade da sinfonia ao género poema sinfónico, e wagnerianos, através de efeitos tímbricos particulares.

1 Manuela TOSCANO, “Sinfonia À Pátria de Viana da Mota: Latência de Modernidade”, Revista Portuguesa de Musicologia, n.º 2, 1992, p. 195.

 

Sobre o autor

Avatar photo

Isabel Pina é doutoranda e bolseira de doutoramento em Ciências Musicais Históricas na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, interessando-se principalmente pelo estudo da história da música em Portugal nos séculos XIX e XX, música e ideologia, nacionalismo, análise e semiótica musical, e imprensa e crítica musical. Concluiu o mestrado em Ciências Musicais tendo apresentado a dissertação “Neoclassicismo, nacionalismo e latinidade em Luís de Freitas Branco, entre as décadas de 1910 e 1930”. É actualmente voluntária na Biblioteca Nacional de Portugal, tendo estagiado no Museu da Música. Enquanto colaboradora do Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM), é membro do Grupo de Teoria Crítica e Comunicação, do SociMus (Grupo de Estudos Avançados em Sociologia da Música), e co-fundadora do Núcleo de Estudos em Música da Imprensa.