O Museu do Oriente organizará, na pausa lectiva do Carnaval (decorrendo nas manhãs dos dias 27 e 28 de Fevereiro e 1 de Março), uma oficina pedagógica relacionada com a exposição em curso sobre Ópera Chinesa, destinada a crianças entre os 7 e os 12 anos.

Com o título O papel do Palhaço na Ópera Chinesa, a oficina permitirá aos mais novos observar diferentes facetas desta personagem, fundamental na Ópera de Pequim, numa expedição pelas galerias do Museu do Oriente. Aqui aprender-se-á como são o seu vestuário e maquilhagem, o que o torna distinto das restantes personagens e muitas outras particularidades.

Chou (imagem: Museu do Oriente)

Na ópera chinesa, o palhaço pode ser um cómico ou um vilão. É denominado Chou e tem uma maquilhagem muito característica, com aplicação de branco em redor dos olhos e do nariz, sendo os próprios cantores/actores de ópera que aplicam a sua maquilhagem. Também existe uma versão feminina do Chou, mas com uma maquilhagem diferente, que consiste não no uso do branco, mas no rosto avermelhado, com sobrancelhas enegrecidas e, por vezes, com uma pequena mancha na testa, de remédio para a dor de cabeça. Esta personagem pertence, normalmente, ao povo, mas também existem, na ópera chinesa, palhaços que são de classe média-alta.

 

Chou (imagem: Museu do Oriente)

Durante três horas, os participantes vão poder explorar o Museu do Oriente e o tema da Ópera Chinesa, para depois, em oficina, o retratarem utilizando diferentes técnicas e suportes. O preço para a participação é de 12€/manhã. Uma actividade a não perder!

Sobre o autor

Avatar photo

Luzia Rocha possui os graus de Licenciatura, Mestrado e Doutoramento em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa. É investigadora no Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM) da Universidade Nova de Lisboa. É membro do ‘Study Group on Musical Iconography’ e do ‘Study Group for Latin America and the Caribbean’ (ARLAC-IMS), ambos da International Musicological Society. É colaboradora na Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e no Grupo de Iconografia Musical da Universidad Complutense de Madrid/AEDOM. Trabalhou como docente na Academia de Amadores de Música, Escola Técnica de Imagem e Comunicação (ETIC), Instituto Piaget (ISEIT de Almada, também como Coordenadora da Licenciatura em Música) e na Academia Nacional Superior de Orquestra e colabora actualmente como docente na Licenciatura em Jazz e Música Moderna da Universidade Lusíada. Tem participado como oradora, por convite, em conferências nacionais e internacionais e publicado artigos em periódicos com arbitragem científica. É autora do livro "Ópera e Caricatura: O Teatro de S. Carlos na obra de Rafael Bordalo Pinheiro".