No próximo dia 24 de Fevereiro decorrerá na Igreja da Alva, Aljezur, um recital de guitarra clássica pelo guitarrista Paulo Galvão.

Esta iniciativa é levada a cabo pela Academia de Música de Lagos e pretende integrar as artes no contexto patrimonial. É mais um evento associado ao programa cultural ‘365 Algarve’, iniciativa conjunta das Secretarias de Estado da Cultura e do Turismo, Turismo de Portugal, Região de Turismo do Algarve e tem o apoio da Câmara Municipal de Aljezur.

O recital versará a temática “Passeios Novecentistas por diferentes universos introspectivos”, permitindo a expressão de vários afectos pelo timbre guitarrístico.

O guitarrista portimonense Paulo Galvão, nascido em 1967 e especializado em Instrumentos Antigos (alaúde renascentista e guitarra barroca), frequentou diversas masterclasses com Jakob Lindberg, Alberto Ponce, Hopkinson Smith, Javier Hinojosa, Piñeiro Nagy e ainda Lopes e Silva. Estudou composição com Jorge Peixinho e harmonia com Manuel Morais.

Desenvolveu a sua actividade docente em locais como a Academia de Música de Santa Cecília, Conservatório de Loures, Escola de Música Nossa Senhora do Cabo e ainda na Escola de Música Crescendo. Actualmente lecciona na Academia de Música de Lagos, onde é o responsável pela fundação dos projectos pedagógicos ‘1001 cordas’ e ‘Guitar Kids’. A sua actividade profissional de instrumentista conta já com diversas actuações a nível solista e em várias formações de música de câmara.

A sua discografia compõe-se igualmente de várias obras: “Recital” (1999), “Livro de Guitarra do Conde de Redondo” (2000, obra que apresenta como estreia para guitarra barroca um manuscrito português do séc. XVIII), “1526” (2000), “Moçárabe” (2001), “Écloga” (2004). Estes CDs contam com a participação de vários outros músicos, como Joaquim Galvão na flauta ou Vítor Lima na voz.

O programa deste recital conta com obras de vários compositores novecentistas. Teremos, de José Ferrer y Esteves (1835-1916), “Allegretto”, “Charme de la Nuit”, op. 36 e “Valse en Lá”. De János Gáspar Mertz (1806-1856), será interpretada a peça “Flor de Trigo.” De seguida, de Johannes Brahms (1833-1897), três Valsas, op. 39. Para terminar, de Francisco Tárrega (1852-1909), “Adelita”, “Gran Vals”, “Pavana” e “Sueño – Mazurka”.

A hora de começo deste espectáculo é às 21:00.

 

Sobre o autor

Avatar photo

Rita Faleiro é doutoranda em Musicologia na Universidade de Évora, Mestre em Ensino da Música (Piano) pelo ISEIT - Almada e Licenciada em Piano e Arqueologia pela Universidade de Évora. Trabalhou como professora de Piano em diversas instituições e organizou diversas Masterclasses, tendo participado igualmente em múltiplas edições das Jornadas “Escola de Música da Sé de Évora”. Actualmente o seu trabalho académico centra-se na investigação de música sacra portuguesa, nomeadamente os salmos concertados da segunda metade do séc. XVIII dos compositores eborenses.

Deixe um comentário

O seu endereço de correio electrónico não será publicado.