Para alguns leitores da glosas, o nome Joaquim Simões da Hora é, possivelmente, desconhecido. Contudo, o livro da autoria de Tiago Hora, recentemente editado pela Colibri e que será lançado no próximo dia 10 de Abril, irá certamente contribuir para contrariar esse facto. Este livro dá a conhecer os percursos de intérprete, de pedagogo e de divulgador desta importante figura do meio musical português das últimas décadas do século XX, abordando igualmente aspectos relacionados com o desenvolvimento das práticas da música antiga em Portugal, na linha de Santiago Kastner.

Joaquim Simões da Hora (1941-1996) foi organista, dedicado à música antiga, sobretudo de autores ibéricos, e à redescoberta do seu repertório, professor da classe de órgão no Conservatório Nacional, acarinhado pelos seus alunos, e divulgador, tanto em programas de rádio que concebeu ou em que participou (nomeadamente “Em órbitra” e “Flores de música”), como enquanto produtor e supervisor artístico de edições da Valentim de Carvalho e da MoviePlay, e ainda enquanto organizador de cursos como a Semana de Música Antiga Ibérica e a Semana Internacional de Música Antiga, entre outros.

Esta biografia revela ao leitor um pouco das várias facetas de Simões da Hora. Porém, conhecê-lo verdadeiramente, à sua personalidade e ideais, passa por escutar a música que gravou. De entre os registos discográficos que efectuou contam-se o Órgão da Sé Catedral de Évora (1975), O Órgão de Santa Maria de Óbidos (1981), O Órgão da Sé Catedral do Porto (1985) e Batalhas e meios registos: música ibérica para órgão do século XVII (1994).

Este livro resulta da investigação realizada por Tiago Hora para a sua tese de mestrado em Musicologia Histórica (FCSH-UNL). Tiago da Hora é actualmente doutorando em Ciências Musicais na mesma faculdade e colaborador do CESEM-UNL e do CITAR-UCP, participando com regularidade em colóquios nacionais e internacionais. Exerce ao mesmo tempo trabalho na área da produção e coordenação de projectos no domínio da interpretação e da divulgação da música em Portugal.

O lançamento do livro Joaquim Simões da Hora: intérprete, pedagogo e divulgador terá lugar dias 10 de Abril no Auditório 1 da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, à Avenida de Berna, Lisboa, pelas 18h. Contará com as apresentações do prof. David Cranmer, orientador da tese de mestrado de Tiago Hora, e do prof. Rui Vieira Nery, que assina o emotivo prefácio desta obra e que privou de perto com Joaquim Simões da Hora. A entrada é livre.

Sobre o autor

Avatar photo

Mariana Calado encontra-se a realizar o Doutoramento em Ciências Musicais Históricas focando o projecto de investigação no estudo de aspectos dos discursos e das sociabilidades que caracterizam a crítica musical da imprensa periódica de Lisboa entre os finais da I República e o estabelecimento do Estado Novo (1919-1945). Terminou o Mestrado em Musicologia na FCSH/NOVA em 2011 com a apresentação da dissertação "Francine Benoît e a cultura musical em Portugal: estudo das críticas e crónicas publicadas entre 1920's e 1950". É membro do SociMus – Grupo de Estudos Avançados em Sociologia da Música, NEGEM – Núcleo de Estudos em Género e Música e do NEMI – Núcleo de Estudos em Música na Imprensa, do CESEM. É bolseira de Doutoramento da FCT.